Translator

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

JOGOS OLÍMPICOS - TENHO MUITA PENA DOS PORTUGUESES DE MACAU

Pelas teclas do jornalista João Severino tomamos a liberdade de transcrever na íntegra a sua opinião em relação a ausência do Presidente da República Cavaco Silva e o Primeiro Ministro José Sócrates, na cerimónia de abertura do Jogos Olímpicos, em Pequim.


" TENHO MUITA PENA DOS PORTUGUESES DE MACAU"
80 Países estão representados ao mais alto nível - Presidentes de República, Monarcas ou Primeiros-Ministros - na cerimónia de abertura dos jogos Olímpicos, em Pequim. Delegações, que na sua maioria representa o interesse político ou económico nas relações futuras com a China. Sejamos realistas, deixemos a demagogia por um só momento de lado e compreendemos que o "crime" dos jogos Olímpicos se realizarem em Pequim não é um caso de hoje, mas no dia em que foi aprovada a sua realização na capital chinesa. Todo o mundo sabia perfeitamente que o cumprimentos dos direitos humanos e a liberdade na China era e é uma utopia. Mas aprovaram e decidiram que assim fosse. E neste sentido, o que fez a China? Limitou-se a mostrar ao mundo aquilo que sempre fez: não brincar em serviço. E desta vez, tratava-se de um "serviço" muito especial. Era necessário mostrar a sua capacidade de organização, o seu poderio económico, a sua modernidade, o seu "novo" regime e de igual modo tentar esconder as fraquezas de um povo ainda muito empobrecido e sem liberdade.
Mas só, quem conheça muito bem os chineses e, especialmente, as autoridades chinesas é que pode compreender o choque enorme que representa e irá representar no futuro a atitude que o Presidente Cavaco Silva e o primeiro-ministro José Sócrates tiveram para com a "máquina" que dentro de duas décadas irá controlar o mundo. É inacreditável como os mais altos responsáveis de um país, (através da presença em Macau) possam ofender e magoar de tal forma tão significativa a "face" dos governantes chineses, renegando a uma presença simbólica numa cerimónia de abertura. Com uma agravante vergonhosa: a justificação de que não poderiam estar presentes por uma questão de "agenda". Deverá ser a "agenda" de um banho na praia de manhã, uma sardinhada ao almoço, um mergulho na piscina à tarde e uma mariscada ao jantar...
Cavaco Silva e José Sócrates têm conselheiros de caca, analfabetos de política oriental, maldeitores da paz vivida pelos portugueses de Macau. E aqui é que está o grande significado do gesto imcompreensível. Se Portugal pensa que poderá viver economicamente sem a cooperação com a China, que o pense, e só lhe fica mal porque mostra falta de inteligência política. Todavia, que Portugal não tenha tomado em conta que os chineses nunca mais lhe perdoarão esta atitude, suscita a qualquer observador um acto de total irresponsabilidade.
Podem estar certos que os chineses nunca mais irão esquecer a ofensa da tal "agenda" e quem vai pagar muito caro são os portugueses que nasceram e residem em Macau. A importância da língua portuguesa, a força da secular presença lusíada, a consideração pelos acordos institucionais que durariam atá 2049, tudo irá esmorecer, tudo irá por água abaixo e tenho pena que daqui a quarenta anos vivam tantos portugueses em Macau como aqueles que residem em Hong Kong ou na Tailândia.
João Severino

P.S. João Severino é um dos raros conhecedores da política chinesa e residente que foi, por largos anos, em Macau. Foi radialista, fundou jornais e revistas. Devido à sua forma, de estar no mundo, de homem honesto, mas um de uma irreverência, indomável, que nunca o largou viria a sofrer vários dissabores, perseguido pelos "poderosos" que o obrigou abandonar Macau e residente, actualmente, em Lisboa. Fundou o blogue http://pauparatodaaobra.blogspot.com onde continua: irreverente e a usar a liberdade de expressão de que sempre foi amante. Conhecemos o João Severino há quase duas dezenas de anos e aqui vai o nosso abraço.
José Martins

2 comentários:

joão severino disse...

Não sou merecedor de elogios. Sou um "criminoso" que por defender a verdade e a liberdade de informação fui obrigado a abandonar Macau para regalo dos amantes da corrupção e da mafiosice.
S
Só a tua amizade fala assim. Abraço

Jose Martins disse...

Meu caro João as verdades magoam muita gente... Paciência é a vida e a sujeição daqueles que as querem trazer à luz do dia como a azeite vem à tona da água.
Abraço