Translator

sexta-feira, 11 de julho de 2008

NEM COTÃO JÁ HÁ NO BOLSO!

Bem desde há muito que é sabido que os portugueses são uns "tesos" tristes. Mas também, no bolso dos portugueses, não pode haver muita abundância.
Há portugueses (muitos) são uns "Tios Penicos"!
Maquiavelices vão contar a história de um "Tio Penico" que conheceu na nossa aldeia, onde todos os pobres possuiam uma leira para colher uma mão-cheia de batatas, umas couvinhas para um caldo adubado com um pedaço de banha de porco ou um golpe de azeite.
A mulher do "Tio Penico" presenteou-o com uns 18 filhos.
Um dia um "ricaço" perguntou-lhe porque fazia tantos filhos!
Respondeu-lhe: Sr. João fazer amor na cama com a mulher é o "condutinho" dos pobres...
Não havia televisão, a Emissora Nacional não estava ao alcance de todos. Com isto o "Tio Penico" deita-se cedo e o lume ao pé da estopa...
Passava a noite a "fornicar" a Adelaide dele.
A filharada do "Ti Penico", esgaravatam: uns a guardar as ovelhas paridas outra o alfeire e era uma família que lá ía vivendo sem a caridade pública.
Porém com a Segunda Guerra Mundial, a minha aldeia entrou em reboliço. Os aldeões deixaram de cultivar as terras e todos começam a esburacar as leiras em procura do minério "cassiterite".
Era eu um miúdo de uns cinco ou seis anos e reparava que todas as tabernas se encontravam cheias até à porta...
Os homens com as mãos lambuzadas a retirarem as "cambulhas" de enguias das barricas da Murtosa.
Os ourives de feira vendiam relógios e aneis como rebuçados aos aldeões.
O tio penico foi um dos com sorte e descoberto um filão negro de minério, visto a olho nu, numa sua courela.
Foi uma felicidade e o desassossego para quela família.
O "Tio Penico" chegou a ter 5 relógios: um cada pulso e mais dois no bolso do colete e ainda outro pendurado no pescoço que lhe caia no peito.
Aparecem-lhe uns oportunistas que aproveitaram a venderem-lhe uns "trastes", decorativos sem valor.
O filão do minério da courela do "Tio Penico" acabou, ficou na miséria e morreu assim.
Ora portuguese não fogem à regra das basófias e filosofia do "Tio Penico".
São cópias!
Se hoje têm crédito, trabalho e uns tostões no bolso são imparáveis a dar largas a suas vaidades.
É carros. são telefones móveis, é o traje e a boa comida...
Depois falta-lhes o crédito e o emprego barafustam, caiem numa tristeza profunda, desmoralizam e ficam arrumados para sempre.
Psicológicamene em baixo e sem esperança de recomeço de nova vida.
Em suma somos um país de "Tios Penicos" e ponto final!
Agora segundo o que informa o "Correio da Manhã", que Portugal está abaixo da Bulgária no grupo dos 27 da União Europeia é uma vergonha e está recai em cima da cabeça dos "Tios Penicos" do Governo e do "Tio Penico" José Sócrates.
Maquiavelices/José Martins

Sem comentários: