Translator

sexta-feira, 18 de julho de 2008

MEMÓRIAS DE UMA VIDA - BANQUETE DOS MACACOS

Hoje é sábado e um dia igual ao de ontem. Porrinha nenhuma para fazer, desde que me despediram (já reformado) há seis meses e quatro dias, por dizer umas verdades (já várias vezes o disse aqui e no http://aquitailandia.blogspot.com/ ) e quando elas vão "bulir" em gente que compõe uma clã, elitista, é uma "gaita" rachada, sofre as consequências. Fui reformado nas 70 primaveras, pouca a sorte, porque de momento foram aumentadas para as 75. Mas estou-me nas "tintas" e cá vou vivendo um reformado "alegre contente" e até me dá riso e pena ao mesmo tempo de observar o "estatismo" de algo a ir pela água abaixo que demorou anos a construir. Quando me levanto, pelas seis (agora mais ou menos) ligo o computador, clico nos e-mails, aproveito os que têm préstimo, mando os outros para o "spam" e como não pode deixar de ser entro nos jornais de Portugal e passar uma vista de olhos pelas noticias. Não encontrei nada que valesse a pena "criticar" e fazer a minha opinião. Passei ainda pelo interessante blogue http://lisboasos.blogspot.com/ que uma corajosa senhora criou e mostra ao mundo uma Lisboa, a capital de Portugal, completamente "borrada", casas em lástimo estado de conservação e as paredes "grafitadas", ou melhor descrevendo: em Portugal existe a cultura da pintura abstracta grafitada. Olho para aquele horror! Não há nada a fazer de minha parte, mas que pelo menos os "magníficos" do executivo do Governo que dirigem o Portugal no novo milénio que coloquem os "olhos" naquelas desgraças e, deixem-se de "merdas" (desculpem só escrevo palavras que estão no dicionário) de obras "megalómanas" e que se governem com a prata da casa. E que não estejam sempre à espera de esmolas da União Europeia, porque até esta (o clube) tem os dias contados. Esquecia-me da recomendação para o nosso PM José Sócrates fale menos e acerte mais... A demagogia, nos tempos, que correm já não emprenham ninguém pelos ouvidos. Entre os e-mails recebidos vou encontrar um que me chegou do Brasil, do amigo (virtual) Casimiro que anda a "bater" nas mesmas teclas, há uns 10 anos, a criticar Governos, embaixadas, consulados e ainda não conseguir chegar a lado nenhum. Porém o Casimiro é como a água mole em pedra dura que tanto dá até que fura! Chego a ter dó do Casimiro, mas também o admiro como lutador... Cada um que lute pelos seus ideais... Força Casimiro e vai mandando notícias e mesmo que não venças nada e os homens tenham vergonha do mal que vão fazendo, daqui podes estar certo que os teus e-mails não vão para o "lixo". O e-mail do Casimiro noticiava uma peça do jornalista Carlos Fino, que mandou a RTP colher urtigas e depois de reportar os tiros do início da Guerra do Iraque, foi aproveitado em boa hora pelo embaixador Seixas da Costa que muito o admiro pela sua actividade e as boas relações que criou entre Portugal e o Brasil. Encabeçada a peça do Carlos Fino: Embaixador Português terminou a visita a Estado Amazónico. O Senhor Embaixador foi muito bem recebido durante a vista e viajou 3.ooo quilómetros ao longo da costa e junto à fronteira da Bolívia. Parabéns Senhor Embaixador e nós há ano e meio estivemos a seu lado de quando um jornalista, Políbio, brasileiro o criticou e amávelmente me agradeceu. Peça que poderá ser lida: http://aquitailandia.blogspot.com/2007/01/dois-senhores-embaixadores-e-o.html . Mas deixando as "tretas" acima tecladas vamos falar numa das muitas viagens que temos efectuado pela Tailândia, onde já vivo há cerca de 30 anos.
Vamos assim inserir imagens do "Banquete dos Macacos" em Lop Buri.
Os desejos de um bom fim-de-semana.

Uma vez em cada ano é oferecido um "banquete" á macacada irreverente de Lop Buri, a 150 quilómteros de Banguecoque. Vou lá sempre. Gosto de conviver, naquele banquete, com os macacos que até são mais "porreiros" do que alguns homens que conheço.

A festa começa pela manhá ainda cedo. Chegam os bombos que assustam a "macacada" e enfiam-se entre, as paredes, o templo Khmer em ruinas. Lop Buri foi o ponto de encontro e harmonia de duas religiões: o Indu e o Budismo. As duas fundiram-se e vivem em paz.E lá estava com as duas Nikon F70. Um reporter que se preze de o ser deve ser um dos primeiros a calcar o terreno da notícia. mesmo sem nenhuma revista ou jornal me comprar o material estou lá por conta e risco da minha algibeira.
Senhores, Senhoras na Tailândia é assim! Trata-se os macacos como gente! Com boa comida e doçaria. Entre tantas gulozeimas lá estavam os fios de ovos que foram introduzidos na Tailândia pela luso/japonesa, Maria de Pina Guiomar. Uma nobre senhora que em Lop Buri viveu e sofreu. Mas deixou algo de Portugal em Lop Buri onde na mesa do Grande Rei Narai estivera o "Foi Tong" (Fio de ovos na língua tailandesa) que o monarca se deliciou. O "Foi Tong" a doçaria mais popular na Tailândia do Norte ao Sul.
Estas figuras de mulheres de lindos e atractivos sorrisos sempre foram a minha paixão. Almas gentis e amorosas como vós não há igual no mundo. O meu amigo Yongyuth Kitwatananusont que já conheço há mais de 20 anos. Um industrial, dinâmico de hotelaria. Proprietário do hotel Lop Buri Inn e Lopburi Inn Resort. É sem dúvida alguma um amigo dos macacos, cujo estes deambulam, em liberdade total, no centro da pequena cidade Lop Buri. As suas unidades hoteleria estão cercadas de macacos moldados em cimento. E recomendamos o seu hotel Lop Buri Inn onde por pouco mais de 12 euros fica excelentemente instalado.

Toda a imprensa local e internacional está lá... e sabemos que o evento tem corrido mundo através das televisões!

Todos os anos o meu amigo Yongyuth veste um casado novo. E faz questão que pessoas amigas lhe deixem escrito o seu nome. O nosso lá está na manga e a palavra "Portuguete" que significa em língua tailandesa Portugal!

José Martins

2 comentários:

Cila disse...

Muito obrigado pela visita ao meu cantinho da fotografia, será sempre be vindo!
Gostei muito deste seu espaço, cheio de cor e boa disposição, ao qual certamente pretendo voltar mais vezes!
Beijo

Jose Martins disse...

Agradecido pela visita ao meu blogue. Claro que sim que vou a este lugar e a outros que nunca disse: "não mais"! Há muito para relatar e vá passando por aqui.
Bj
José Martins